REDES SOCIAIS AMIS Facebook Twitter Youtube

AMIS



Embalagem pode beneficiar Ambev em semestre fraco - 02/02/2017



O mercado brasileiro de cerveja, que no ano passado encolheu 2%, ainda terá um cenário difícil no primeiro semestre de 2017, devido ao nível de desemprego ainda alto e ao verão mais chuvoso, que desestimulam o consumo.

 

Ainda assim, a Ambev pode apresentar desempenho acima da média do setor, graças à estratégia de vender garrafas retornáveis de 300 mililitros, afirma o consultor Douglas Costa.

 

"É uma linha mais complexa de se produzir, mas, ampliando a produção, o custo fica viável para a empresa, e mais difícil para as concorrentes acompanharem em volume produzido", afirmou o especialista. Ele observou que as principais concorrentes ­ Grupo Petrópolis, Heineken e Brasil Kirin ­ não têm conseguido competir com a Ambev nessa categoria, que é vendida principalmente em supermercados, atacarejos e outras redes de autosserviço.

 

"A Petrópolis conseguiu se diferenciar no mercado nos últimos anos com a lata e a "long neck" de Itaipava, muito vendida principalmente para a classe C. Mas como a garrafa retornável da Ambev proporciona um preço mais baixo ao consumidor, a estratégia afeta essas duas linhas da sua principal concorrente", disse Costa. "A Petrópolis e a Brasil Kirin teriam que mudar toda a linha de produção para acompanhar isso e teria um custo alto", acrescentou o consultor.

 

O analista Carlos Laboy, do HSBC, observou em relatório recente que a estratégia de garrafas retornáveis ainda enfrenta desafios para que a Ambev possa acelerar as vendas da categoria. Ele citou entre os problemas a desorganização nos locais onde são deixados os cascos vazios no varejo, falta de pessoal para fazer a troca das embalagens vazias e a falta de diferenciação das marcas populares, como Brahma, Skol e Antarctica (o engradado leva apenas a marca Ambev).

 

Luca Cipiccia e João Barrieu, analistas do Goldman Sachs, observam em relatório que a Ambev ainda enfrentará desafios no curto prazo, mas o ano de 2017 será melhor para a companhia, devido à estratégia de retornáveis e outras iniciativas para ampliar as vendas. Os especialistas consideram que a base de comparação mais fraca do ano passado deve ajudar os resultados deste ano. Eles também esperam que a empresa sofra menos neste ano com o impacto do dólar, que elevou expressivamente seus gastos com proteção cambial ('hedge') em 2016. O banco tem recomendação de compra para a Ambev, com preço­alvo de R$ 19.

 

Na avaliação do analista Pedro Leduc, do J.P. Morgan, a Ambev enfrentou sua pior fase no segundo semestre de 2016 e deve recuperar resultados neste ano. Ele considera que as ações da Ambev já enfraqueceram o bastante no ano passado (queda de 5% ante valorização de quase 39% do Ibovespa), atingindo um valor que já torna a compra do papel rentável no ano. O banco tem recomendação de compra para o ativo, com preço­alvo de R$ 20,50.

 

Leduc considerou ainda que a compra da Brasil Kirin pela Heineken, prevista para ser anunciada neste mês, favorecerá a Ambev no curto prazo, tendo em vista que as rivais levarão alguns meses para fazer a integração das suas operações no Brasil.(Jornal Valor Econômico) 


ONDE ESTAMOS

Rua Levindo Lopes, 357 - 6º andar - Funcionários Belo Horizonte - MG

EMAIL

amis@amis.org.br

LIGUE

(31) 2122-0500
Facebook Twitter Youtube



© Copyright 2013 - AMIS - Associação Mineira de Supermercados. Todos os direitos reservados.